Síndrome de Ovário Policístico

O ovário policístico é uma questão que vai além da saúde feminina. Inclusive, ela transforma a autoestima da mulher e a forma como ela olha para o próprio corpo. Continue lendo e saiba como é conviver com o ovário policístico.

Muitas vezes acompanhados de cólicas intensas, os ciclos menstruais irregulares preocupam muitas mulheres para além da possibilidade de uma gravidez indesejada. Afinal, a falta de periodicidade é um dos sinais de alerta para a Síndrome do Ovário Policístico (SOP).

Para quem acompanha a saúde continuamente, é possível detectar o distúrbio hormonal através de exames de rotina. Daí a importância do acompanhamento médico e a realização de exames ginecológicos pelo menos uma vez ao ano.

O surgimento da SOP ainda tem causas desconhecidas e impacta até mesmo a autoestima da mulher. Por isso, se você está vivendo a doença ou conhece alguém nesta situação, livre-se de qualquer culpa. Inclusive, quando o assunto é a relação da infertilidade e autoestima.

Quer entender melhor como ocorre ou, quem sabe, ajudar a amiga que está no processo de descoberta do ovário policístico? Leia o artigo que produzimos especialmente para nossas leitoras e saiba mais sobre o tema.

O que é um ovário policístico?

Apesar de falarmos em ovário policístico”, é bom lembrar que no corpo feminino existem dois ovários. Eles se formam um de cada lado do útero e a partir deles ocorre a produção dos hormônios femininos. Além disso, eles também são responsáveis por armazenar os óvulos que a mulher possui desde seu nascimento.

Ficou mais simples entender porque o ovário policístico é conhecido como um distúrbio hormonal, não é mesmo? De forma mais clara, com a alteração dos níveis hormonais no ovário ocorre a formação de cistos no próprio órgão, causando o aumento do seu tamanho.

Sobre a formação dos cistos, eles podem ocorrer de forma múltipla ou unitária. Isto é, o que diferencia a ocorrência do cistos no ovário – termo também muito falado – dos policísticos.

A SOP é crônica e por esta razão não é totalmente reversível. No entanto, a mulher pode conviver com ela de forma mais amigável através de acompanhamento médico e tratamento contínuos.

Quais são as possíveis causas do ovário policístico?

Como dissemos acima, muitos dos casos têm origem desconhecida. Na verdade, acredita-se na predisposição genética como forma de surgimento do ovário policístico.

Apesar da incerteza, sabe-se que 50% das pacientes possuem hiperinsulinismo (hormônio insulina em alta quantidade) e produzem maior quantidade de hormônios masculinos.

A doença não é 100% evitável, mas ao longo da vida a mulher consegue, com certas atitudes, ajudar a prevenir o aparecimento da SOP. Em breve, falaremos delas.

Convivendo com a SOP

Muitas mulheres descobrem a condição nas primeiras menstruações, mas também é possível que a síndrome se desenvolva mais tarde. A descoberta ocorre durante os anos “reprodutivos em resposta a alguma alteração hormonal ou ganho de peso.

E não por acaso dissemos que a síndrome do ovário policístico é mais que uma doença. Afinal, em decorrência de seus sintomas, ela é capaz de mexer consideravelmente com a autoestima feminina, principalmente nas mulheres mais jovens, fase em que geralmente é descoberta a SOP.

Aumento da acne

A adolescência já é uma fase de diversas descobertas e conflitos, não é mesmo? Nela ocorre naturalmente o aumento do hormônio masculino andrógeno em meninos e meninas. No entanto, as situações de hiperandrogenismo precisam ser investigadas com cuidado se o aparecimento da acne ocorre muito cedo ou em grande quantidade.

Estima-se que de 30 a 40% das mulheres com SOP tenham problemas de excesso de acne. Apesar do cuidado com a alimentação e de produtos específicos ajudarem no tratamento da acne, ao diagnosticar a SOP somente o tratamento específico pode controlar os sintomas.

Crescimento excessivo de pelos

O hirsutismo não é um problema grave, porém, pode ser indicativo de outras alterações.Ele se refere ao desenvolvimento de pelos em regiões atípicas do corpo feminino, por exemplo, rosto, seios e abdômen.

Além de ser um sinal de alerta, assim como a acne, o hirsutismo afeta muito a autoestima da mulher. Isso porque o surgimento dos pelos ocorre em áreas geralmente muito mais comuns no corpo masculino e a mulher, de certa forma, sente seu corpo sendo descaracterizado.

É muito importante saber que você não está sozinha e não ter vergonha de expor estes sintomas ao seu médico. Em decorrência ou não do diagnóstico da SOP, existem tratamentos que podem ser realizados, além de tratamentos estéticos, por exemplo, como a depilação.

Peso

É muito importante que mulheres e meninas tenham consciência de seu corpo e aprendam a aceitá-lo. Por isso, a obesidade é um ponto de muita atenção quando o assunto é ovário policístico. O ganho inesperado de peso antes ou durante o quadro de SOP é comum e, apesar da autoestima e da aceitação do corpo precisarem ser trabalhadas, é importante que as mulheres façam também acompanhamento de sua saúde.

Acompanhamento psicológico

Já vimos até agora que o quadro de SOP vai além de saúde física. Por isso, a atenção psicológica, emocional e o cuidado com esses aspectos são um importante passo para o tratamento do ovário policístico.

O ciclo irregular e o fluxo em grande volume também são problemas conhecidos por quem sofre de ovário policístico. Esse atraso ainda pode provocar oscilações emocionais muito grandes em resposta à “confusão hormonal no organismo”.

Assim, para muitas mulheres, o tratamento do ovário policístico acaba sendo uma oportunidade para criar ainda mais autoconsciência.

Dicas de saúde para conviver com a SOP

Como o controle do peso e da glicemia deve ser constante, vamos dar algumas dicas simples para prevenir e cuidar do quadro de ovário policístico.

  • Prefira alimentos ricos em magnésio aos com alta concentração de gordura. Por exemplo, legumes, cereais integrais, vegetais folhosos, castanha e abacate;

  • Controle a resistência à insulina com carboidratos integrais ou naturais. Consuma, pães integrais, batata, inhame mandioca, óleos de linhaça e azeite de oliva;

  • Pratique atividades físicas regularmente: encontre alguma que possa te dar prazer e ao mesmo tempo auxiliar no controle do peso;

  • Realize exames anuais para acompanhar sua saúde íntima.

Esperamos que essas dicas sejam úteis para você ou para aquela mulher especial que você admira e está precisando de ajuda para conviver com a SOP!

Para mais conteúdos como esses, acompanhe nosso blog!